A Empresa Invisível


Práticas de Gestão Estratégica alavancam o sucesso de muitas organizações ao redor do mundo. O modelo mundial de gestão administrativa está amparado praticamente dentro dos mesmos princípios: um negócio, um grupo de pessoas o gerindo – diretorias, gerências, supervisões e pessoal operacional –, um ou mais softwares de gestão, equipe de marketing, vendas, administrativa e a administração geral dos recursos humanos. É preciso muito trabalho para operar dentro de margens de lucro e crescimento no mercado altamente competitivo em que atuamos. Em muitas empresas, existe uma dose extra de pressão e parece que é ela (a pressão) a responsável pelo aumento do faturamento de muitas empresas. Será?

PESSOAS SÃO IMPORTANTES PARA AS EMPRESAS?

Toda essa movimentação empresarial só é possível porque existem pessoas para fazer com que tudo funcione. Os líderes carecem estar cientes disso. Lembrar que as pessoas são mais importantes do que as máquinas e equipamentos da empresa. Máquinas e equipamentos é que precisam trabalhar pelas e para as pessoas.

Existe em toda empresa uma “empresa invisível”, o que quero dizer com isso é que acontecem coisas dentro de uma empresa que, muitas vezes, passam despercebidos aos seus administradores – situações “invisíveis” que não são vistas, percebidas ou verificadas e que fazem uma grande diferença no dia a dia de uma empresa. Há um lugar onde coisas “invisíveis” acontecem, vamos chamá-lo de bastidor da empresa. Que coisas são essas? E que bastidor é esse? A empresa invisível é formada pelos pensamentos e sentimentos das pessoas que nela trabalham, assim como pelos pensamentos e sentimentos dos familiares dessas pessoas. Um tema que deveria ser tratado com maior zelo e que a administração moderna pouco estuda, ainda - O potencial do pensamento e do sentimento das pessoas como fator gerador de sucesso nas organizações. Então, na sequência, estou descrevendo alguns exemplos do que acontece nos bastidores – na empresa invisível:

AÇÕES INVISIVEIS QUE GERAM FATOS VISÍVEIS

  • Um funcionário está desmotivado por alguma situação causada pelo chefe imediato. Até aí tudo dentro da normalidade. Só que, o que ele pensa, sente e externa é sujeito atrapalhar a empresa. Sentindo-se desprestigiado, desvalorizado, isolado, fica insatisfeito, cria um círculo (campo) de energias de insatisfação que sujeita diminuir a sua produtividade. Nos bastidores, ele encontra pessoas que nutrem os mesmos sentimentos, e então começam a confabular nos cafés e cozinhas, gerando inconformismos, baixa produtividade e insatisfações. Uma empresa invisível sendo montada dentro da própria empresa, só que lutando contra ela mesma. É como se um jogador de um time de futebol estivesse insatisfeito com o treinador e começasse a fazer gols contra.

  • Outra situação está relacionada com promoção de funcionários. O promovido ganha vários adversários que, insatisfeitos, alimentam a inveja. Essa insatisfação gera ares de fofocas e papinhos sinistros nos cantos da empresa, transformando a promoção num fardo tanto para o colaborador quanto para a empresa.

  • Um chefe sem o devido preparo assume o comando da equipe. Toma decisões arbitrárias, incoerentes e desajustadas. Todos vêem, mas ninguém tem coragem de falar nada por medo de perder o emprego. A empresa invisível, neste caso, funciona na torcida para que tudo dê errado e o sujeito se saia mal. Sujeito a pessoa sair do cargo e depois o pessoal do setor ainda fazer um churrasco pra comemorar a desventura do sujeito e da empresa. Com uma torcida dessas, quem precisa de inimigos?

  • Um serviço prestado pela empresa está trazendo desconforto aos usuários. Uma imensidão de pessoas insatisfeitas gerando comentários, pensamentos e palavras que são invisíveis para a empresa. Resultado: perda de clientes, ambiente carregado, pessoas preocupadas e serviço ineficaz. Só que a empresa acredita que o problema é a bolsa, o mercado, a inflação, o dólar, o processo, o sistema operacional. Será?

Estes exemplos citados têm diversos desdobramentos e consequências invisíveis que, fatalmente interferem no visível. No entanto, a maioria dos administradores acredita que tenha sido por outros fatores, como sorte, concorrência, produto, campanha de marketing, crise financeira, alta do dólar, etc. (Penso que tem influência também). Com concorrentes tão ferrenhos como esses, dentro da própria empresa, nem precisa de concorrentes externos!?

A ADMINISTRAÇÃO DOS SENTIMENTOS

Administrar sentimentos e pensamentos deve ser também um foco importante na gestão das empresas. Para isso, é preciso respeito humano acima do respeito profissional. Carece de atitudes mais coerentes que visem o bem-estar do funcionário e não apenas da empresa. As vendas cresceram? Que maravilha! Contemple e bonifique todos aqueles que contribuíram pra esse sucesso. Muitas empresas crescem, enriquecem e triplicam seus faturamentos enquanto seus funcionários ficam cada vez mais pobres. O que é isso? As pessoas precisam crescer em escala proporcional.

Em vez de gerar funcionários que formam empresas invisíveis, é dever dos líderes trabalhar no sentido de mostrar novos caminhos a cada um deles. Experimente! O resultado pode ser maior o que você mesmo estava prevendo. O ser humano tem todas as chaves que o impulsionam ao alto e, por isso, a gestão precisa ser feita por pessoas que entendam de gente antes de entender de softwares. Só há empresas porque existem pessoas. Máquinas sem pessoas jamais serão empresas.


Destaques

Desenhamos este espaço pra que você possa estudar alguns comportamentos e atitudes que fazem parte do dia a dia dos profissionais. Lembrando a todos que o estudo é parte importante do nosso desenvolvi-mento pessoal e profissional. Boa leitura!

Recentes
Arquivo
Busca por Tags
 
Nenhum tag.